A declaração da Irmã Lúcia ao Professor Walsh

Em 15 de Julho de 1946, o historiador católico William Thomas Walsh entrevistou a Irmã Lúcia no convento das Irmãs Doroteias em Vilar, Portugal. Contou o fato no seu conhecido livro Our Lady of Fatima. Esta entrevista demonstra claramente que o pedido de Nossa Senhora da Consagração da Rússia só será cumprido quando o Papa e os Bispos católicos de todo o mundo consagrarem especificamente a Rússia:

Chegamos finalmente ao assunto importante do segundo segredo de Julho, do qual têm sido publicadas tantas versões diferentes e contraditórias. Lúcia disse claramente que Nossa Senhora não pediu a Consagração do mundo ao Seu Imaculado Coração. O que Ela pediu expressamente foi a Consagração da Rússia. Não comentou, evidentemente, o fato de o Papa Pio XII ter consagrado o mundo, e não a Rússia, ao Imaculado Coração em 1942. Mas disse mais do que uma vez, e com ênfase deliberada: ‘O que Nossa Senhora quer é que o Papa e todos os Bispos do mundo consagrem a Rússia ao Seu Imaculado Coração num dia especial.
Se isto se fizer, Ela converterá a Rússia e teremos paz. Se não se fizer, os erros da Rússia espalhar-se-ão por todos os países do mundo. ’
‘Quer isto dizer, em sua opinião, que todos os países, sem exceção, serão dominados pelo Comunismo?’ Sim[1]. ’

O Professor Walsh continuou:

Claramente, ela achava que os desejos de Nossa Senhora ainda não tinham sido cumpridos. As pessoas devem rezar o Rosário, fazer sacrifícios, comungar nos Cinco Primeiros Sábados, rezar pelo Santo Padre.

Nesta entrevista com o Professor Walsh, a Irmã Lúcia apresentou novamente as condições precisas para a Consagração da Rússia, feita de acordo com o pedido de Nossa Senhora: o Papa, juntamente com os Bispos de todo o mundo, deve consagrar a Rússia pública e solenemente ao Imaculado Coração de Maria. É de sublinhar que a Irmã Lúcia não fez comentários sobre a Consagração do mundo, feita pelo Papa Pio XII em 1942: pelo seu silêncio sobre ela, e ao repetir novamente as condições específicas para a Consagração, afirmou que uma Consagração do mundo não é suficiente para atender ao pedido de Nossa Senhora.





[1] William Thomas Walsh, Our Lady of Fatima, 4ª tiragem, (1947) p. 226.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Referência aos textos do Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem

O presente blogue apresenta os textos do "Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem" de autoria de São Luís Maria Grignion de Montfort (31/01/1673 - 28/04/1716). Todos os resumos e textos são baseado na tradução do texto original francês.