“O que Nossa Senhora quer é a Consagração da Rússia”

A Irmã Lúcia explicou por várias vezes: “Nossa Senhora de Fátima NÃO pediu a consagração do mundo, mas sim a Consagração da RÚSSIA”.


Reproduzimos aqui testemunhos de várias entrevistas pessoais com a Irmã Lúcia ao longo de muitos anos, em que ela frisa este ponto repetida vezes:


a)    Em Our Lady of Fatima (1947), p. 226, o Professor William Thomas Walsh relata: “Lúcia explicou claramente que Nossa Senhora não pediu a consagração do mundo ao Seu Imaculado Coração. O que Ela pediu especificamente foi à consagração da Rússia.”;
b)    No livro Vision of Fatima, 1949, p. 80, o Padre Thomas McGlynn referese ao facto de a Irmã Lúcia fazer questão em corrigir ‘consagração do mundo’ para ‘consagração da Rússia’. “Não!” disse a Irmã Lúcia. “O mundo não! A Rússia, a Rússia!”;
c)    No livro Il Pellegrinaggio delle Meraviglie, publicado sob os auspícios do Episcopado italiano (Roma, 1960, p. 440), conta-se uma revelação pouco conhecida de Nossa Senhora de Fátima à Irmã Lúcia. A Virgem Maria apareceu à Irmã Lúcia em Maio de 1952 e disse: “Faz saber ao Santo Padre que continuo à espera da Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração. Sem a Consagração, a Rússia não poderá convertesse, nem o mundo terá paz.”;
d)    O Padre Umberto Maria Pasquale, S.D.B., conhecia a Irmã Lúcia desde 1939. Até 1982, tinha recebido 157 cartas dela. Em 12 de Maio de 1982, o Padre Umberto escreveu em L’Osservatore Romano (o jornal oficial do Vaticano) que Nossa Senhora de Fátima nunca pedira a consagração do mundo, mas apenas a da Rússia;
e)    Em 5 de Agosto de 1978, perguntou-lhe em pessoa: “Nossa Senhora alguma vez lhe falou da consagração do mundo ao Seu Imaculado Coração? E a Irmã Lúcia respondeu: “NÃO, Senhor Padre Umberto,  NUNCA! Na Cova da Iria em 1917, Nossa Senhora prometeu: ‘Virei pedir a Consagração da Rússia’...”;
f)     O Padre Umberto, desejando uma resposta escrita á sua pergunta, escreveu uma carta à Irmã Lúcia. Em 13 de Abril de 1980, a Irmã Lúcia respondeu-lhe: “Respondendo à sua pergunta esclareço: Nossa Senhora, em Fátima, no Seu pedido, só se referiu à Consagração da Rússia...”;
g)    O Padre Manuel Rocha, português de origem, foi o tradutor dado ao Professor Walsh para a entrevista acima citada. Refere-se a um pormenor que torna ainda mais claro que estamos todos em risco se a Consagração da Rússia não for feita a tempo. Em continuação do que o Sr. Walsh disse acima, citamos:  “Mas ela (a Irmã Lúcia) disse mais que uma vez, e com ênfase deliberado: ‘O que Nossa Senhora quer é que o Papa e todos os Bispos do mundo consagrem a Rússia ao Seu Imaculado Coração num dia especial. Se isto se fizer, Ela converterá a Rússia e haverá paz. Se não se fizer, os erros da Rússia espalhar-se-ão por todos os países do mundo.’” (Professor Walsh) “Quer isto dizer, na sua opinião, que todos os países, sem excepção, serão vencidos pelo Comunismo?” (a Irmã Lúcia:) “SIM!” (Our Lady of Fatima,  1947, p. 226). O Padre Rocha testemunhou que o Sr. Walsh queria ter a certeza quanto à resposta da Irmã Lúcia e repetiu a pergunta, acrescentando: “quer dizer, os Estados Unidos da América também?” A Irmã Lúcia respondeu novamente: “SIM!” (Isto encontra-se no livro The Wonders She Performs, 1986, p. 160.).

Irmã Lúcia perguntou a Jesus por que razão Ele não convertia a Rússia, a não ser por meio da Consagração específica da Rússia. Jesus respondeu: “Porque quero que toda a Minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Coração Imaculado de Maria, para depois estender o Seu culto e pôr, ao lado da devoção do Meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração”.

A única maneira de converter a Rússia é esta: que o Papa e os Bispos, no mesmo dia, ao mesmo tempo, pronunciem juntos, solene e publicamente, o ato de Consagração da Rússia, especificamente nomeada, ao Imaculado Coração de Maria.

Só então o mundo terá Paz. A alternativa de não obedecer á ordem da Rainha do Céu é que “várias nações serão aniquiladas” e as nações sobreviventes serão escravizadas.


“Sem a Consagração, a Rússia não se poderá converter, e o mundo não terá paz.”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Referência aos textos do Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem

O presente blogue apresenta os textos do "Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem" de autoria de São Luís Maria Grignion de Montfort (31/01/1673 - 28/04/1716). Todos os resumos e textos são baseado na tradução do texto original francês.